sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Recado à nossas semelhanças


Fora os olhos, vem o hálito
que ainda nem senti....
Cabelos, negros, de outras vezes
algo que finjo que não vi
*
Sabemos reclamar quando é preciso
e falar das coisas bonitas também,
no canteiro da imaginaçao livre
alho, alecrim, incenso, jasmim
*
A madrugada está sem horas
e o tempo se tornou ninguém
a curiosidade do ser que explora
surge de onde nada vem
*
Deixa eu ver teu sorriso,
e sentir seu colo
sou teu amigo
detetive simplório
*
Desvendo os medos,
velo teu sono,
um protetor,
não o teu dono...
*
Robson Deorristt
Recanto das Letras

Um comentário:

A VIDA DE UMA MULHER disse...

Parabéns pela linda poesia. Um abraço.