terça-feira, 19 de agosto de 2008

Quem sabe


Quem sabe, sob a sombra de uma Nogueira
Ou no balanço de uma canoa
Fisgando nossos sonhos pretéritos
Nossos corpos em fogueira
A doce silueta que se moveu
As marcas em minha retina
O carinho que não morreu
Véu de Isis, suspensa a cortina
Quem sabe, talvez o proprio céu
Ou mesma a nossa estrela
Minhas noites em abandono , ao léu
Choram os olhos, sem ve-la
Quimeras de ti, um encanto
O teu riso rir,teu sorriso merecer
Beber tuas lagrimas, evitar seu pranto
Dizer em teu ouvido....moç a, amo voce
Quem sabe !!!!!!
Vidas cruzadas...
Tanto caminho e saudade
Nas esquinas da vida, encruzilhadas
Reviver o mais puro amor, sem maldade
Cuja grandeza não cabe no peito
Na mente ou no coração
Sobe aos ceus em prece
Na angustiante emoção
Nas manhãs de hoje abres a janela
Comtemplando o astro rei
E eu , não sei o que faço
Sem voce, nada eu sei
Um pouco de agua
Regando a vida da flor
Amargo esta saudade
Num segundo, horas de dor
Meus demonios dominados
Todo sentimento inferior
Òdio, desprezo, picardia
Menos o tal de amor
Que por ti, tange-me a alma
Em meus sonhos, em meu devaneios
De repousar meu rosto cansado
Em teu ombro amigo, ou teus seios
Quem sabe !!!!!
Abra a janela
Cuide das nossas orquideas
Enquanto ao PAI faço uma prece
Meu DEUS, esqueça de mim, lembre-se DELA


Mitalhe - Marinho Lopes

Um comentário:

Marcy Cage disse...

Coisinha...
como é bom te visitar.. tu es sempre alguem que muito me inspira...

Seu cantinho esta maravilhoso como sempre...

amo-te